6 de dezembro de 2008

Amarras

Amarras
Depois de mais de 60 anos de ditaduras, a democracia tarda a impor-se. São atavismos demasiados. O novo regime não chegou a soltar as amarras, afundou ainda em porto.

5 comentários:

Edgardo disse...

« Creio que está alçada a bandeira. Agora vamos defendê-la alegremente, poeticamente. Porque há alguns que, frente à marcha da revolução, acreditam que para reunir vontades convém oferecer as soluções mais tíbias; crêem que se deve ocultar na propaganda tudo o que possa despertar uma emoção ou assinalar uma atitude enérgica e extrema. Que equívoco! Os povos nunca foram movidos por mais que os poetas, e ai de quem não saiba levantar, frente à poesia que destrói, a poesia que promete! (…)»

Edgardo disse...

( Excerto do discurso de fundação da Falange Espanhola, pronunciado por José António Primo de Rivera no Teatro de la Comedia de Madrid, em 29 de Outubro de 1933. Por ocasião das evocações do nascimento de José António, a 24 de Abril de 1903. )

Humanidade e tudo o integrante requer Poesia...

Papio cynocephalus disse...

não é só o regime que tem de soltar as amarras; é preciso as pessoas desejarem-no primeiro

Edgardo disse...

Mensagem de S.A.R. Dom Duarte de Bragança, de 1 de Dezembro de 2008

Portugueses:

No 1º de Dezembro de 1640, os nossos antepassados devolveram Portugal aos Portugueses. Souberam responder à crise do seu tempo, lutando pela nossa independência. Hoje, olhamos para o nosso país, e vemos que se acentua a dependência externa e a obediência a directivas quantas vezes alheias à nossa própria vontade.

rui disse...

os problemas com que se debate o sr dom duarte, esse sim, um verdadeiro poeta.

Arquivo do blogue