17 de março de 2015

Nunca tantos desejaram viajar para São Miguel.

 Andam todos (nas outras ilhas) eufóricos com os encaminhamentos gratuitos. Eu percebo a euforia, afinal alguém (talvez a troika) vai pagar, ainda mais,  para os mais favorecidos viajarem ainda mais barato. Essa gente só não percebeu é que essa intervenção estatal além de anular todos os ganhos que se poderiam ter obtido com a liberalização, ajuda a enterrar a companhia aérea regional ainda mais do que já está por via de decisões "politiqueiras" sucessivas e contraditórias que já levaram ao afastamento de dois bons presidentes de CA, o Eng. Manuel António Cansado e o Prof. Doutor António Gomes de Menezes. O fim da SATA, pelo menos da Internacional, só pode ser o objectivo de curto prazo. Caso contrário, não se compreende que o accionista único promova a concorrência com a sua própria empresa.
O que essa gente, das outras ilhas, esquece é que, com essa euforia toda,  está a contribuir  para o mais vil dos centralismos "uma placa giratória"  em São Miguel. A TAP já abandonou o Faial e Pico, a Internacional vai à insolvência e pronto, fica naturalmente resolvida a questão da chamada "Hub Aérea do Atlântico". 
Desde que seja à borla, qualquer centralismo se suporta. Ou como dizia o meu querido e saudoso amigo Alceu Cabido Carneino. "Puta já temos só nos falta o dinheiro". Esse será dos Alemães, esses maus-de-fita de sempre. Claro.

1 comentário:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Arquivo do blogue