19 de março de 2015

Ficção na economia dos encaminhamentos.

Na história que se segue todos os personagens são pura ficção mas as contas são reais.
Raquel (nome fictício) Engª Aeronáutica pelo IST é controladora de Tráfego Aéreo em Santa Maria tem um bom ordenado. José e Maria, pais de Raquel (serrana bela) são naturais e vivem na ilha das  Flores, ele é técnico da PT reformado antecipadamente mas bem remediado. Ela é reformada dos CTT, tiveram sorte estes dois, vivem desafogadamente. A sua grande preocupação  é a filha única do casal estar tão longe. De vez em quando lá vão passar uns dias a Santa Maria, matam as saudades da "Raquelinha", alugam um "carrito"  numa rent'a car local que a pequena precisa do seu para ir trabalhar fora de horas que aquela gente trabalha por turnos. Dão uma volta pela Ilha.
A Maria encontra sempre alguma coisa para comprar apesar do comércio local estar cada vez mais pobre e ter cada vez menos o que vender. Comem umas alheiras, abastecem-se de biscoitos de orelha que o Inverno há-de consumir com chá de erva cidreira da Fajã Grande e regressam à sua ocidental Ilha das Flores já com saudades da sua "Raquelinha".

Outras vezes é Raquel que, aproveitando umas folgas acumuladas, vai de viajem até às Flores com o Tiago, namorado que é de Beja e também é controlador em Santa Maria, conheceram-se no técnico. Nas Flores, para não incomodar o Pai que pode precisar do carro para ir até ao Porto das Poças ver os pescadores a descarregarem o resultado da faina, Raquel aluga uma "carrito", dão as suas voltas pela Ilha, vão todos Jantar ao Por-do-sol degustar um belo repasto e vão à festa que o José Rogério preparou para o serão de Sábado. regressam a Santa Maria com a saudade  na mala, queijo da Uniflores e aquela deliciosa manteiga que não há outra igual.
José, não fossem essas passagens tanto caras e podíamos fazer uma visita à nossa à Raquel, recuperar o stock de biscoitos e comer aquela bomba calórica das alheiras fritas com ovo a cavalo no restaurante do Ângelo, disse a Maria enquanto "corria" um lençol, alvo,com um olho no ferro outro na novela da SIC.

Qual quê Maria, retorquiu José, "a gente vamos" mas é a Lisboa com a pequena, é mais barato, compramos 4 passagens numa dessas companhias novas por 30 ou 40 euros, vamos à borla todos até São Miguel onde nos encontramos e vamos passar esses 4 dias a Lisboa, aproveito para ir ao Sporting pagar as cotas e ver um jogo e tu vais mais a tua filha para as compras na baixa e no Colombo enquanto o Tiago vai a Beja ver a família, coitado vai gastar mais no comboio do que no avião.
Pagamos todos para o dinheiro ser gasto na Capital do Império. Sim que o José não passa sem ver o Terreiro do Paço para se recordar dos tempos em que Portugal era um Império.

Feliciano, outro nome fictício, trabalha na Junta da Fazenda de Santa Cruz, até não ganha mal se comparado com outros. Feliciano tinha o sonho de conhecer o estádio da Luz, mas com o ordenado que tem e com os impostos que paga, ainda agora recebeu o aviso do IMI da casa que ainda está a pagar com muito poupar  ao banco que foi resgatado com dinheiro desses mesmos impostos, dois rapazes para estudar e a sua Odilia que nem sempre tem casa onde servir, mesmo com essas coisas das passagens baratas não pode sonhar sequer com avionetas quanto mais com aviões, para o Feliciano até de borla é caro. 

O mesmo se passa com o Hélio, oriundo da Bretanha na Ilha de São Miguel, emigrado na "cagarrolândia" onde é condutor de pesados na Câmara de Vila do Porto  e cuja mulher, a Odete, trabalha no Bar do Aeroporto, ambos empregados portanto, mas a pagar a casa e o automóvel que à hora que a sua Odete entra e  sai do serviço ou ainda não há ou já não há transportes públicos,  rapaz mais velho vai para a Universidade em São Miguel e a bolsa mal dá para os gastos, o que vale é que a tia que vive por lá e está empregada a fazer limpezas  numa repartição de finanças vai ajudar. Além disso, ainda teve que pagar para registar a casa que herdou do pai na Bretanha  e paga o IMI daquela coisa sem préstimo que apenas serviu para que visse negado o apoio social à aquisição de casa própria, tanto malandro que teve uma casinha e o Hélio só porque o pai lhe deixou aquela porcaria que nem consegue vender por causa da crise que os ricos provocaram, "nicles batatoides". Mas para irem a São Miguel estar com a rapaz e tratar de limpar as ervas do beirado da casa da Bretanha,  vai custar, para os dois mais de 180 "aéreos". Vão de barco quando começar a época, sempre são apenas 120 euros a diferença já dá para a comida.

Os impostos dos muitos Felicianos e Hélios  desta terra vão pagar as Viagens de lazer das Raquel, dos Josés e das Marias e dos Tiagos.
As suas Santa Cruz e Vila do Porto ficam cada vez mais pobres porque  quem ainda pode gastar algum, chamam-lhe consumir, vai  gastar agora o dinheiro todo em Lisboa.

Há quem chame a isto um contributo para maior justiça social, direitos das ilhas mais pequenas e outras "boutades". Eu nem sei bem o que lhe chame, acho é que está tudo doido.

5 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nuno P disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Arquivo do blogue