6 de fevereiro de 2011

Foge cão que te pega o Lacão.

Estou, há algum tempo, para escrever sobre a questão da redução do nº de Deputados da Assembleia da República, coisa com a qual não concordo em absoluto, faço parte daqueles que acham que a Democracia não tem preço, ao invés de outros cujo pensamento enviesado, no discurso é democrata na prática é autoritário e quase totalitário.
O núcleo do que penso sobre este assunto, está resumido neste excelente texto do meu querido amigo Mélito.
Pega Lacão! Depois da tentativa de transformar Portugal nas Ilhas Caimão, os que nos governam - por tramóias que o voto tece - querem agora copiar e materializar o estilo americano. Isto é, acabar com os pequenos partidos para que o país tenha apenas dois tipos de gestores que mais não seriam os social-democratas e os socialistas. Por que os nomes dão vómitos seriam substituídos no futuro por os laranjinhas e os rosadinhas. Tal qual na América que uns são os burros e os outros elefantes, se não estou em erro. "Lacão, tu vais morder para o ar e ficas sempre com a língua de fora. Percebes? Não! Amandas para o ar a liofilização dos deputados. Os interessados vão começar a gemer. Não interessa! Deixa-os berrar. No princípio não te vamos apoiar. Porquê? Para não dar nas vistas. Deixa o resto connosco. E fizeram aquelas bestas o 25 de Abril. Nós estamos precisando de uma revolução a sério. Uma revolução que ponha termo ao saque que o Estado está sujeito. É preciso que alguém tome conta do país a fim de obrigar aos que estão a receber dinheiro irregularmente o devolvam aos cofres do Estado. Meus senhores, precisamos de saber já quanto roubam ao erário público as quadrilhas que tomaram assento nos dois partidos e que descaradamente distribuem fundos através de reformas ilícitas e outros expedientes e que acumulam com chorudos ordenados mensais. Aonde é que isto vai parar? Circulam através da internet dados altamente lesivos dos interesses do povo e que põe a nu o desfalque sistemático dos dinheiros públicos. Dizem - é só preciso confirmar - que o aumento dos impostos - agora institucionalizado - tem a finalidade de pagar as reformas ilícitas que são incomportáveis e o assalto que foi feito na banca. Sabe-se já onde pára algum do dinheiro que foi roubado. Reformar o Estado como tencionam fazer os dois partidos herdeiros do 25 de Abril vai fazer com que se abafe os crimes perpetuados. Com as Forças Armadas reduzidas, a nação está à mercê de forças especiais que mais não são do que o garante do grande capital. Se não apelarmos ao patriotismo de todos, Portugal desaparecerá. Os comerciantes não têm pátria tal qual o capital. E a reeleição de Cavaco foi-nos perjudicial. Apesar de tudo, Alegre trazia a alma nacional consigo. Ter-nos-ia sido possível com ele travar esta queda que nos transformará num coito de Porfírios Rubirosas. Pega Lacão é o slogan desta americanização escandalosa que aí vem. Primeiro está Portugal, depois as ideologias. E quem assim não pensar que vá para a puta que o pariu.

7 comentários:

Anónimo disse...

Puta que os pariu!!!

Anónimo disse...

Uma vez que os resultados são os mesmos, quer se tenha muitos ou poucos, deve optar-se pelo mais barato.
É uma questão de carteira.

As reformas que gozam os ex-deputados são escandalosas. Representam um peso para os contribuintes intolerável, numa sociedade que se quer democrática.
Sobretudo sabendo-se que os ditos reformados continuam a trabalhar.

Anónimo disse...

Faltava este grito de revolta? Claro que sim! Enterraram todos a regionalização, querem enterrar agora as minorias representativas. Lá vamos cantando e rindo! (onde é que eu ouvia isto?)
Merlim

K2ou3 disse...

Estou de acordo contigo Nuno.
Mas que todos falem, ao menos para ver se têm voz para ir aos "Idolos", e se houver queijo á mistura, melhor.

Anónimo disse...

O Dr. Melo Bento, sempre lúcido como sempre a mostrar a sua fibra de Filósofo e de Pedagogo.

Paraquino disse...

Caro Amigo
Não sei como me descobriste. Tenho saltado de blogue em blogue porque às vezes abuso na linguagem e depois fico um todo nada "amarrotado". Agradeço-te a referência.
melito

Anónimo disse...

Eles tem escritórios de advogado abertos, eles dão aulas, eles dão consultas médicas, eles pintam a manta e jogam ao pau.
Quem?
Os reformados do parlamento regional, ex-deputados.
E quem é que lhes paga?
Todos nós, com os nossos impostos.
E quanto é que nos custam?
Cinco milhões por ano, não dá.
E quanto é que custou ao erário público cada minuto destas criaturas em plenário?
Depende do metal escolhido. 3 kg em ouro, muito provavelmente.

Arquivo do blogue