28 de março de 2011

Vá para fora cá dentro III



Esta é ainda outra opção para as mini férias pascais.

5 comentários:

Crise? Qual crise? disse...

Enquanto o pessoal continuar a «tirar férias» 4 ou 5 vezes por ano, é sinal que o pilim está rolando e bem.

No meu tempo, as únicas «férias» a que tínhamos direito, era irmos, na canícula de Agosto, para a costa, e lá chegados, deitávamos debaixo dum salgueiro, dormíamos, brincávamos e depois petiscava-se umas perninas de frango ou assava-se na brasa cavala escalada ou uns chouriços, tudo regado com vinho de cheiro e resfresco «dawa» para as crianças.

Era um dia de festa. Até ia a sogra e o cão!

Agora, é tudo mais fino, e o pessoal até contrata «take way» ou serviço de «catering», e depois dizem que o dinheiro falta e que o Sócrates é que tem a culpa!

Crise?

Vão mas é chatear o grunho!

Anónimo disse...

Crise prossegue na sua alucinação

Não há instituição ou país que não se refira à crise portuguesa, com excepção do crise.

A alucinação aprofunda-se exponencialmente quando diz que , por causa de Cesar, nos Açores também não há crise,

O método utilizado é uma auscultação " in loco" à sociedade de consumo- crise vai uma tasca.Conta quantas pessoas " imborcam" mais de 3 cervejas e a mente se alumia, para concluir que não há crise.Nas alturas em que tem enjôos a ir a uma tasca, crise ruma à marina de Ponta Delgada.Separa os barcos nacionais dos regionais e dos estranjeiros.Conta-os e como que a mente afasta o nevoeiro e conclui que não há crise.Se à mente lhe assalta alguma dúvida, acende-se o " lampiã" que contém instalado no seu cérebro e Crise ruma a todo o fervor aos hiper,s.Aí, vendo muito "pôve" em ajuntamento, para que a certeza instala-se- não há crise.Muito menos na hiperpotência Açores, graças à iluminada actuação de "Césere".

Criiiise, qual criiise?

Crise? Qual crise? disse...

Enquanto muito «lavrador» andar de óculos escuros e carrinha 4x4 com «air condition» e telemóvel de última a geração na mão, a «inspeccionar» nos cerrados e nos matos, se caiu alguma rês na grota ou numa ribanceira, não há crise.

Crise, era antigamente, em que a gente ia a pé, de burro ou em cavalo (os mais abastados) para o mato, ver e cuidar do gado, e se algum caia à grota, não havia subsídios.

Agora é subsídios, para tudo!

Até para plantar rosmaninho!

Crise?

Vão mas é escovar o boi da junta!

Anónimo disse...

Crise, decididamente é socialista que é o mesmo que dizer que só prega mintchirada e vende sonhos banha de cobra.

Cesar começou por dizer que não se recandidatava, depois recandidatou-se.Voltou a dizzer que não se recandidatava e recandidatou-se- era a última vez, mas já sabemos que, última será a próxima.

Depois disse que Socrates era uma mais valia para o país e esta mais valia salta à vista.

Veio o superavit, graças a uma engenharia orçamental- um mês depois já não havia superavit, mas a culpa é dacrise internacional.Agora acrescenta que é da crise internacional que se relete na naciomal e, por via desta, à regional- mais exemplos para quê?

Crise aprendeu e foi mais papista do que o papa- crise? Não há crise

Entretanto,quando crise vê pessoas a imborcá, não pergunta se é dinheiro mal gasto.Se foi fiado.É, sim, sinal de riqueza.

Ser socialista é, pois, ser, políticamente, sinónimo de mentiroso e trapaceiro.

Crise? não há crise!

Chegaié!

FMF disse...

Por exemplo: as minhas

Arquivo do blogue