7 de março de 2011

Com os pés na terra.

Tem andado por aí um burburinho por causa das declarações do Ministro Luís Amado concernentes às relações de Portugal com a Líbia e a Venezuela. Bem sei que o Ministro não foi feliz na forma como disse que, nas relações internacionais, umas vezes prevalecem os princípios, noutras os interesses. Também sei que pululam por aí umas virgens ofendidas que se indignam quando se fala de interesses e ainda mais de interesse nacional ou da nação. São palavras que lhes fazem recordar tempos áureos da diplomacia portuguesa e essa gente gosta mesmo é de mediocridade (coisa que este Ministro não é).
Embora existam várias escolas, a verdade é que, nas relações internacionais, só existe uma forma de estar, a realista, aquela em que cada estado defende na ordem externa o que é melhor para a ordem interna, independentemente dos princípios. A ordem interna ou ambiente interno e a ordem externa ou ambiente externo condicionam a acção do decisor. Contudo, elas não são determinantes pois na verdade, essas decisões são tomadas de acordo com as perspectivas políticas de cada um ou de cada conjunto de decisores, com base nas suas convicções, razões de ordem moral ética ou de interesse, ou ainda tendo em conta uma função específica do objecto da decisão política. Ou seja, a escolha ou decisão pode ser tomada seguindo um critério da ética da convicção Weberiana, dos valores (deontológico) ou dos objectivos (teleológico), ou ética da responsabilidade para seguir a terminologia de Max Weber.
Tucídides, na sua História da Guerra do Peloponeso, guerra essa  que opôs Esparta a Atenas, explica as causas do conflito  como sendo apenas o facto de Atenas se estar a tornar demasiado forte e isso inquietar os Lacedemónios, habitantes de Esparta.
Hobbes, Maquiavel, Morgenthau, Waltz e muitos outros ao longo da história da humanidade e das relações internacionais, discorreram sobre a questão do interesse nacional se sobrepor aos princípios no que à política externa concerne.
Na verdade, o realismo e o neo-realismo se quisermos diferenciar os pensadores da modernidade dos pensadores da contemporaneidade, como correntes da filosofia das relações internacionais são as mais pragmáticas e as que, no fundo, goste-se ou não, são mais eficientes. O realismo, a chamada realpolitik estão, por exemplo, de tal forma enraizadas nas diplomacias Germânica, Soviética, Americana e Francesa que, nesses casos, se pode inclusivamente falar de um realismo intrínseco (terminologia que uso frequentemente quando falo da política externa dos EUA), de tal forma arreigado que a política externa se tornou tecnicista e até cientifica se quisermos.
Não me choca que as democracias mais ou menos lastradas da Europa e da América do Norte mantenham relações com algumas ditaduras e autoritarismos africanos ou da chamada Ibero-america.
Por exemplo: Que mal trouxe para o nosso país o facto de José Sócrates ter andado a fazer umas “gracinhas” a Hugo Chavez? Na minha modestíssima opinião, nenhum. Ao invés, sempre se venderam uns computadores, um navio que estava emplastrado ao molhe há muito e parece que ainda conseguimos fazer umas “negociatas” com petróleo. Com a Líbia passou-se o mesmo e também com o regime liderado por José Eduardo dos Santos.
O que importa, isso sim é deveras obrigatório, é que o mundo democrático faça de tudo para ir democratizando o restante. Porém há coisas que apenas se mudam com grande envolvimento das populações locais e isso parece que agora está pronto a ser possível, pelo menos em algumas latitudes.
O caso de Angola é um dos mais delicados para a nossa diplomacia. Na verdade, a ex-colónia é, a par com o Brasil, uma das mais promissoras e emergentes economias do mundo e, consequentemente, uma grande oportunidade de negócios para algumas empresas portuguesas e tem sido um importante destino da nossa emigração o que nos tem servido de almofada para o desemprego (pequena é certo mas cada um que emigra é menos um à conta da segurança social). Caindo o regime, neste momento, poucas dúvidas há de que se seguirão tempos difíceis e Portugal bem como os restantes parceiros europeus, com a crise que atravessam, não têm capacidade para acolher uma onda de retornados como seria previsível.
Pelo que disse atrás, arrisco em dizer que no caso Angolano, a realpolitik tem um papel ainda mais importante do que nos outros casos onde ainda nos podemos dar ao luxo de pensar em algumas utopias e idealismos.

11 comentários:

Anónimo disse...

Depois duma análise com esta qualidade a pergunta que se impõe:
O que é que uma pessoa como o Dr. Nuno Barata está a fazer nos Açores?
Com a pobreza do nosso discurso televisivo e radiofónico, será que ninguém vê o diamante que aqui está?
É cert que é um diamnate bruto, mas que tem potencial, tem!!!!!

Anónimo disse...

Bem!Maquievel já era!,Hirshman, Weber, Julien Freund, Karl Popper e outros ilustres em paroxismos de intelecto dissertaram sobre a sociedade aberta aos seus inimigos e às ideologias ou como ocultar o paradoxo das consequências destas. Bravo ao ilustre bloguista por tentar justificar o injustificável. O interesse comum é a única ideologia que não tem inimigos. Merlin disse

Anónimo disse...

"Conspiracy...conspiracy..conspiracy..."disse Winston Churchill, referindo-se à política internacional em geral e à diplomacia em particular.

Anónimo disse...

Einstein dizia que, não podemos resolver um problema usando o mesmo tipo de pensamento a que recorremos ao criá-lo. Em política a conspiração é uma lei da guerra em que um homem está sempre pronto a morrer por uma ideia, desde que esta não seja particularmente clara. O interesse comum parte sempre de uma ideia de paz e é por isso que existem paradoxos ideológicos no seu caminho.Merlin disse

DR.PARDAL disse...

De facto concordo com o teor do post do Nuno Barata.

Portugal não pode dar-se ao luxo de ter uma diplomacia baseada em lirismos, idealismos ou utopias, até porque as grandes nações não o fazem.

Basta ver o caso da Libia, onde a França, a Itália, a Grã-Bretanha e a Rússia fartaram-se de vender armas sofisticadas, aviões, helictópetros e sistemas antí-missil, e agora, estão todos muitos «escandalizadas» com o uso que o Kadafi pode estar a dar a esse armamento.

Quando venderam esses milhões em armamento, pensavam que o Kadafi ia utilizá-lo na caça aos patos?+

Quanto a Portugal, faz bem em ter uma relação com Angola, potência económica e militar na África Ocidental, onde vivem já centenas de milhares de portugueses, para além das ligações umbilicais com a História, e principalmente com o Brasil, que já é a 7ª economia mundial, já ultrapassando a França e a Grã-Bretanha.

Aliás o Brasil sempre teve uma diplomacia independente. Mesmo no tempo da Ditadura Militar tinha relações económicas, culturais e diplomáticas com todo o bloco soviético e com todo o terceiro mundo e mundo árabe.

Portugal não se pode dar ao luxo de ir atrás das deliberações patetas da União Europeia, sob pena de nem vender chouriços conseguir.

Aliás, quem nos trama actualmente são os velhos países da puta da Europa Velha e putona!

Parabéns pela doutrina do Dr.Barata aqui exposta e que também servirá para os Açores.

Se Portugal e a Europa nos trata tão mal e nos desconsidera há que abrir horizontes!

Anónimo disse...

Nunca percebi se o homem é Gadafi, Kadafi, Ádafi...

Anónimo disse...

Não se preocupe. Ditador serve?

Anónimo disse...

Esta excelente análise dos meandros da politica internacional só pode provir de um «expert».

Anónimo disse...

Quem está com os pés bem assentes na terra ´e o Guevârne regionálo- vai contratar mais 35o funcionários o que se vai traduzir em encargos da ordem dos 9% do PIB- depois a culpa é da crise internacional!

A caça ao voto esá a saque- para quem segue a apregoar aos quatro ventos uma utilisação com parcimónia dos dinheiros públicos e continua num forrobodó, é obra!

Home já se sabe- César vai recandidatar-se e vai ganhar com ampla margem, a bem destes nossos "Açures"!

César Forever! disse...

Deus te oiça!

Anónimo disse...

O coronel Tapioca está a tratar de tudo para ganhar as eleições .
Recorde-se que O coronel Tapioca é o melhor político de lá do Sertão, estado de Páráguaçú.

Arquivo do blogue