30 de dezembro de 2016

(...)Nunc et in hora mortis nostrae. Amen.


É com um excerto da Avé maria que começa o romance, de leitura obrigatória,  O Leopardo. No original  D. Giuseppe Tomasi di Lampedusa, pela boca do protagonista principal do seu livro Il Gattopardo, D. Fasbrizio Corbera o Príncipe de Salinas, eternizado no grande ecrã pelo incontornável Burt Lencaster, foi também eternizada esta frase: "é preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma". No entanto, para a espuma dos dias prefiro esta passagem: ""Nós fomos os Leopardos, os Leões; quem nos substituirá serão os pequenos chacais, as hienas; e todos - Leopardos, chacais e ovelhas - continuaremos a acreditar que somos o sal da terra."

Ano Novo

Que não venha a pior.

29 de dezembro de 2016

Dois pesos e duas medidas?

“Nem à mesa do café podem deixar de se lembrar que são membros do Governo”

António Costa em Abril último aquando do incidente com João Soares.
O que mudou entretanto?

28 de dezembro de 2016

Pede desculpa?



Parece que o Ministro Santos Silva pediu desculpa por ter comparado a Concertação Social a uma Feira de Gado. Eu penso que em muitas feiras de gado há muita gente muito mais honesta do que a maioria dos que têm assento nas cadeiras por onde se tem sentado o Augusto, esse trauliteiro que chegou a Ministro dos Negócios Estrangeiros por artes que pouca gente conhece e por ofícios ainda mais desconhecidos.
As palavras do Augusto sobre a Concertação Social são,tão  só, a denuncia dos privados defeitos que essa gentalha oculta com publicas virtudes. 
No fundo são todos, em conjunto, uma fraude.

 Pediu desculpa, não pediu demissão, só isso demonstra o que não vale Augusto Santos Silva

27 de dezembro de 2016

Consequencialismo.

À pergunta incontornável sobre qual a grande consequência dos governos Obama, incrivelmente, hoje nos Estados Unidos da América, a gente responde: Trump. Sim, a eleição de uma figura como Donald  Trump é uma consequência directa do que foi a administração Obama. Na esteira do pensamento  de  Elizabeth Anscombe um agente é responsável tanto pelas consequências directas  de um acto como pelas consequência indirectas do mesmo se esse for previsível. Ora, nada havia de mais previsível do que a ascensão dos populismos e dos neo-nacionalismos como consequência de  políticos "frouxos" e as suas inconsequentes politicas centradas em conceitos  como o estado-social e o personalismo-laico mas que redundam em desigualdades cada vez mais gritantes e degradação do nível de vida dos cidadãos, factores incompatíveis com o que se diz ser "governar para as pessoas".

26 de dezembro de 2016

Amigos

Revisito a miúde as palavras de Vinícius, muitas vezes sem passar da primeira estrofe “Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles (…)”. Leio, revisito-o numa busca incessante de conhecer mais e melhor os meus amigos, ler é sobre tudo conhecer, aprender, é um exercício difícil e inteligente, é como rezar, temos de estar concentrados no que estamos a ler tal como nos devemos concentrar nas nossas orações e devemos nos transportar para a leitura, como personagem do que está sendo lido tal como nos devemos transportar para a dimensão das nossas orações. 

É por isso que me deixo embrenhar nas palavras de Vinícius e deixo andar a vida entre as marés do destino e as praias da eternidade.

Sem amigos somos todos quase nada, sendo que quase nada é muito pouco.

23 de dezembro de 2016

Entrega

Ontem tive o privilégio doloroso de poder acompanhar o Monsenhor Augusto Cabral ( O Senhor Padre Augusto como é conhecido cá em casa) à sua última morada.
Aprendi, ao longo da vida a conhecer melhor este Homem a quem Deus iluminou para que fosse pastor do seu rebanho, culto, estudioso e grande percursor do ensino da fé e religião católicas, de fino recorte humorístico e de inoxidável fé e dedicação ao Senhor Santo Cristo dos Milagres pelas mãos do Senhor Padre Augusto passaram inúmeras gerações de rapazes e raparigas, leigos, seminaristas, catequistas e missionários que das suas sábias palavras beberam o conhecimento que tornou inabalável a sua fé em Cristo. 
Neste Natal que estamos vivendo gostaria de vos recordar a forma de estar perante os outros e perante Deus que o Senhor Padre Augusto nos transmitiu, pelos ensinamentos da catequese onde era exímio pedagogo, pelas suas homilias eloquentes mas pragmáticas que nos calavam fundo mas, sobretudo, pela sua entrega aos Homens por mão de Deus. Saibamos, neste Natal,  cada um de nós dar mais um pouco de si próprio ao próximo e entregar-se ao serviço de Deus que, certamente, todos termos um Natal Santo e Feliz. Demos graças pelo nascimento do menino. Não esqueçamos jamais, entre o consumismo da espuma dos dias, que este é o momento em que Deus em Jesus Cristo se solidarizou com os Homens sobretudo com aqueles que mais necessitam, com os mais pobres, com os mais doentes, com os mais oprimidos, com os marginalizados e façamos dos nossos dias, todos os dias, um dia de Natal seguindo o exemplo do Senhor Padre Augusto e de tantos outros, entregando-nos a Deus pelos Homens.
Cantemos como os Anjos cantaram naquele Natal de há mais de dois mil anos:
“Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados”.


A todos desejo um Santo Natal e a esperança de que 2017 nos traga mais alegrias e graças e nos disponha a nos disponibilizarmos mais ainda ao serviço dos desígnios da palavra do Senhor.

Texto remetido como mensagem de Santo natal aos Irmãos Romeiros do Rancho de Santa Clara.

22 de dezembro de 2016

A humanidade às avesas

Anda a humanidade preocupada em tratar os animais como gente, quando há gente a ser tratada como animais.

16 de dezembro de 2016

Problemas com a matéria prima.

percorrer diariamente a opinião publicada na imprensa escrita regional para além de um acto de puro masoquismo, ajuda a compreender melhor as razões de sermos uma Região cada vez mais pobre.

Solidão.

O blogger é um solitário.

Não há nada a fazer!

Portugal é uma República de plutocratas marxistas.

15 de dezembro de 2016

Sit down !

Boa parte das consciências da nossa classe jornalística são como o cãozinho do Inglês.

14 de dezembro de 2016

Paradoxo da contemporaneidade.


A gente, boa parte dela, clama e apregoa liberdades e mais liberdades, direitos e mais direitos. Essa mesma gente clama e apregoa a necessidade de proibir isso e aquilo e tornar obrigatório mais isso e mais aquilo. Vá lá a gente entender a gente.

13 de dezembro de 2016

Pode-se atravessar duas vezes o mesmo deserto?

Sim pode. As lições da história ensinam-nos que em politica a mesma água pode passar várias vezes debaixo da mesma ponte. Essa mesma história nos ensina que as chamadas "travessias do deserto" são momentos da vida politica de um cidadão que em nada complicam os seus intentos, desde que o cidadão as faça caminhando em vez de esperar que o deserto passe por ele.




banho-maria



Tenho alguns postas em fila de espera, em suspensão, tenho o blogue em banho-maria.

Arquivo do blogue