31 de julho de 2005

São Lourenço



O pedestrianismo é uma actividade de ocupação de tempos livres em grande expansão. Possível de ser praticada em família, em ambientes despoluídos, saudável e didáctica, esta actividade também tem conhecido um grande incremento na Ilha de Santa Maria. Ontem fui experimentar um dos trilhos recentemente limpos e sinalizados. Do lugar de São Lourenço até ao lugar do Norte, subindo pelas vinhas de onde outrora saíram cestos carregados de uvas para as adegas da baia, é possível ter vistas panorâmicas sobre a bonita enseada que nasceu "de um beijo que o mar deu à terra". Estas panorâmicas, além de muito bonitas são muito diferentes daquelas que habitualmente vemos nos postais e nas publicações turísticas.

Bom Domingo



O Foguetabraze está no ar a partir deste edílico lugar que a natureza criou, o Homem pela força da fome e da necessidade de tirar da terra algum sustento, recriou e o Homem que se julga moderno está a destruir. Aos poucos, São Lourenço vai ficando um lugar igual a tantos outros. Infelizmente! Contudo, felizmente, a incompetência é tanta que nem obras de betão têm andamento. Obras essas pelas quais tantos aspiram, principalmente os Amigos (ou deverei dizer inimigos?) da Baia.
Usando uma ligação mais do que rudimentar (abaixo de 56K) não posso mostrar o estado em que estão as estradas de São Lourenço, vai para mais de ano. Fica para mais tarde. Por agora, bom domingo que me vou a banhos.

29 de julho de 2005

O parque da Cidade...

... vai ser reaberto, devolvido aos cidadãos. Aqui deixo o meu elogio ao actual executivo camarário que, apesar do excesso de foguetório e de outros empreendimentos menos interessantes, em boa hora, resolveu dar o tratamento que aquele espaço merecia. Merecia o seu fundador, António Borges, merecia a memória daqueles que ao Jardim dedicaram vidas inteiras, merecia a Cidade por se tratar do único espaço público com as características e dimensão daquele.
Depois de significativas se desejáveis obras de recuperação, onde foram gastos largos milhares de euros em plantas novas e relvados, não havia necessidade de se fazer uma reinauguração com um concerto de entrada livre. Em ano de eleições o executivo liderado pela "Sóra Berta" já de si dado a festas, não resistiu. Embora se trate de artista de qualidade (ao menos valha-nos isso) é caso para dizer como o Diácono Remédios: "Não havia nexexidade".
Não o merecem os pássaros que por ali vivem e nidificam; Não o merecem as plantas que foram lá colocadas de novo; Não o merecem os moradores de um dos bairros mais sossegados da cidade; Não o merecem os habituais frequentadores deste tipo de concerto que, a avaliar pelo que se vê por ai, deixarão as suas marcas indeléveis nos novos relvados e nas novas plantas, por mais cuidados que se tenham.
Será que a "Sóra Berta" perguntou aos técnicos responsáveis pela obra se aconselhavam ou não essa realização? Temo que não.
A cidade tem espaços para concertos, a Calheta, o Campo de São Francisco, as Portas da Cidade. No Jardim, apenas devem cantar os pássaros ao som dos quais acabo de escrever este texto.

Vai uma rapidinha?

E pronto, vamos construir infra-estruturas para os próximos 100 anos, pensadas em 100 dias.

Pela escada de serviço

Existiam muitas razões para entrar no sitio do jornal A Capital todos os dias. Na verdade, algumas delas continuam a existir, mas a principal, infelizmente, deixou de o ser.
A despedida do Melancómico Nuno Costa Santos do seu "quarto andar sem elevador".
ncostasantos@netcabo.pt

28 de julho de 2005

Segurança rodoviária? Onde? 2

Fui importunado, sim o termo é este importunado por uma brigada da PSP com agentes excessivamente diligentes ou excessivamente zelosos. Cuido que eram da esquadra da Maia. Eu vinha no meu Jeep com um semi-reboque, com e todas as suas luzes a funcionar, devidamente identificado, com um quad em cima. Para quem não sabe um quad é uma espécie de motociclo de quatro rodas que serve para um gajo se matar nos caminhos do mato. O Sr. Guarda implicou comigo porque eu era um menino da cidade a passear a sua mota no atrelado e então desatou a ver tudo e mais alguma coisa e acabou concluindo que o dito semi-reboque não trazia matricula. Na verdade estava em transgressão. Segundo o código da estrada os semi-reboques com peso bruto inferior a 350 Kg. não necessitam de homologação, bastando para tal colocar no mesmo o nº de matricula da viatura que o reboca. Mas o que o Sr. Guarda queria era mamar, tinha que pegar com qualquer coisinha e foi por aí. Pois paciência pagarei os 30 euros da multa (se ele tiver coragem de a mandar a casa depois do que eu lhe disse).
Vá o caro leitor por esta Ilha verde fora, a qualquer hora do dia e a qualquer hora da semana e repare:
1- Quantos tractores agrícolas têm o obrigatório pirilampo bem como o aro de protecção?
2- Quantos atrelados de ordenha não homologados, sem luzes e sem qualquer tipo de sinalização encontraram?
3- E atrelados manjedoira
4- E auto tanques?
5- Quantas carrinhas andam com tanques de leite de mais de 1000 litros em cima sem estarem para isso homologadas?

Pois, é caso para dizer que nestas nossas Ilhas dos Açores uns são filhos de deus e outros da Maria da Conceição. (deus com letra pequena e Maria da Conceição com maiúscula não foi gralha, foi propositado, que nestas ilhas o que está a dar é ser filho da puta mesmo)

27 de julho de 2005

Ora aí está...

... a razão pela qual eu não bebo, não fumo e sou heterosexual.
.
É caso para dizer como nos maços de cigarros LEVAR NO ** MATA.

Segurança rodoviária? Onde?

Contrariando todas as regras de segurança, incluindo as impostas pela própria Secretaria Regional da Habitação e Equipamentos, no que concerne à construção e à utilização das bermas e terrenos adjacentes às estradas regionais, Sua Excelência o secretário da tutela, Sr. "Happy Jo", anunciou a intenção do Governo Regional em prosseguir com a política de construção de Zonas de Merenda nas ditas bermas das ditas Estradas Regionais. Nas palavras daquele responsável, a grande tradição e o significativo aumento do número de "merendeiros", justificam a construção e o melhoramento daquelas áreas.
Sim e já agora era bom fiscalizar as carrinhas de caixa aberta cheias de gente em cima, bem como os índices de alcoolémia dos seus condutores. Já agora porque não fazer umas sessões de educação ambiental ao Domingo às 3 da tarde ali no Pisão ou na estrada da Ribeira Quente.
A absurda incompetência da Direcção de Serviços das Estradas vai ao ponto de proibir a ensilagem de forragens para animais a menos de 15 metros das estradas regionais por causa do movimento anómalo de viaturas que provoca e logo insegurança, mas a mesma promove o acampamento e o churrasco na berma da mesma estrada, com a estacionamento em contra-mão e crianças a jogarem à bola.

26 de julho de 2005

Sem nada

Eu podia fazer copy paste de um poema do Alegre, colocar uma imagem com um quadro do Dalí, uma fotografia dos Açores feita por mim, um texto antigo, uma crónica passada. Mas não. Hoje não ponho nada aqui. Não me apetece, estou deprimido. Sim! Deprimido com o Portugal moderno e do choque tecnológico que paga mais 40 % pelas chamadas telefónicas e Internet do que o resto da Europa. Com o Portugal dos incêndios onde os helicópteros são usados para transportar Ministros e Secretários de Estado na companhia de Presidentes de Câmarae Câmara de televisão em vez de serem utilizados para apagar fogos. Onde as policias fiscalizam as auto-estradas em vez de fiscalizarem os pinhais. Deprimido com este Portugal onde as pessoas têm vergonha de serem políticos e feito de políticos pré-jurásicos, interesseiros, umbiguistas e reaccionários. Este Portugal que olhou o globo e o navegou em naus e caravelas, este Portugal que foi o mundo e que caminha para ser uma república feita de Condes de Abranhos.

25 de julho de 2005

Portugueses de segunda ?

A leitura da notícia acima transcrita suscitou-me algumas reflexões. Na verdade, a Assinatura deste protocolo já esteve prevista para muitas datas, em muitos governos de muitos partidos. O problema é que são só intenções. Eu não me importo de ser aquilo a que alguns chamam português de segunda, expressão com a qual não concordo absolutamente. Mais quero ser Açoriano de primeira.
Essa coisa de andar constantemente a falar de custos de insularidade e de isolamento sem medir convenientemente os prós e os contras dessa mesma condição, não é para mim. Eu gosto de viver numa região ultra periférica, com índices de criminalidade baixos, com tempo para ter tempo, com os jornais a chegarem com 24 horas de atraso. Eu gosto e eu quero que a minha terra mantenha as suas idiossincrasias, não quero Teleféricos nem Avenidas Litorais como no resto da Europa deprimida, nem Cais de Cruzeiros como se projecta para o resto do Portugal decadente. Eu quero as minhas Ilhas potenciando o que possam ter de diferente do resto do mundo, as suas vantagens comparativas, não as quero iguais a qualquer outro lugarejo. Só se vence inovando não copiando.

Eles estão de volta

É verdade eles voltaram, os indispensáveis Pai e Filha Falcão Afonso "andem aí" de novo, com um ar mais limpinho um dos blogues de visita obrigatórioa e que esteve inactivo demasiado tempo voltou.
Bem hajam.

23 de julho de 2005

Onde foi que eu já vi este filme?

Para o antigo Comissário Europeu (António Vitorino) e actual deputado do PS, as opções do Aeroporto da Ota e do TGV não vão criar a dinâmica necessária para os próximos três anos.
In Rádio Renascença

22 de julho de 2005

Havia necessidade sim.

Campos e Cunha, não era o meu ministro das Finanças, digo o meu no sentido que não seria a minha escolha para o cargo. Não vou, por isso, enaltecer agora que se demitiu, as qualidades do ex-ministro. Isso foi o que fez a esquerda conforme se foram demitindo os membros do Governo de Santana Lopes, ou seja enquanto foram ministros eram umas bestas, quando bateram com a porta eram uns gajos bestiais. Foi o que fez a esquerda quando Freitas do Amaral e Cavaco Silva criticarm o governo de Pedro Santana Lopes e Paulo Portas. Esse exercício demagógico e fácil não o farei. Contudo, vou lembrar que, ao contrário do que se diz aqui, é de políticos com credibilidade académica que o país necessita e não de habilidosos polítiqueiros, isso é o que mais há no País e na Região. Os partidos vivem dos politicos espertos, a nação precisa de politicos bons e sérios.

21 de julho de 2005

Dinheiros públicos, avante

Este é um assunto que deveria ser tratado no Olhómetro ou no Gritos de Santa Maria. Contudo, por se tratar de assunto gritante e deveras vergonhoso, atendendo ao envolvimento de dinheiros provenientes dos nossos impostos e tendo em conta a maior divulgação do Foguetabraze, cá vai.

Dizem-me (eu não acredito) que o Bote Baleeiro do Circulo de Amigos de São Lourenço custou 45.000? (quarenta e cinco mil euros) cerca de 9 mil contos para que ainda não se familiarizou com a moeda única. Repito, eu não acredito. Contudo, a ser verdade, estamos perante aquilo a que se pode chamar rasgar notas de conto.

Para que serve aquele bote?
Quantas vezes já saíram para o mar?
Tem condições para passeios marítimo-turisticos?
Para simples objecto de adorno?
Para lembrar que Santa Maria, tal como todas as outras Ilhas também teve tradição Baleeira?
Para resolver um problema qualquer a uma qualquer outra entidade que o tinha encalhado?
Custou realmente 45.000 euros?

Todas estas são perguntas que merecem uma resposta, tanto mais que não estamos falando de dinheiro proveniente das quotizações dos associados da referida agremiação mas única e simplesmente de subsídios governamentais.
O Bote Baleeiro de nome Cintrão, foi posto à água nestes últimos dias, passado mais de dois anos sobre a sua aquisição, porque o Sr. Secretário Regional da tutela, Prof. Duarte Ponte, fez uma visita relâmpago à Ilha de Santa Maria.
Senhor Secretário, apelo ao seu bom senso e sentido de justiça e peço-lhe encarecidamente, na qualidade de contribuinte bastante activo, que fiscalize melhor como são gastos os dinheiros públicos que V.Exiª distribui às associações, principalmente àquelas que são de duvidosa utilidade pública.



20 de julho de 2005

Do pantanal Guterrista ao Socrático.


"Manuel Moreira José Sócrates deverá falar amanhã em privado com Freitas do Amaral e Campos e Cunha. O primeiro-ministro deverá falar amanhã, a título particular, com Freitas do Amaral e Campos e Cunha, à margem do Conselho de Ministros. Segundo apurou o CM, José Sócrates irá procurar redefinir a estratégia de comunicação para evitar a repetição de polémicas semelhantes às que aconteceram nos últimos dias com o artigo do ministro das Finanças e as críticas do titular da pasta dos Negócios Estrangeiros às falhas do Governo para explicar as medidas difíceis." Correio da Manhã

Não foi preciso chegar a amanhã, Campos e Cunha já foi exonerado e substituído. O até agora departamento governamental de maior importância deixou de ter como timoneiro um dos independentes de que José Sócrates tanto se orgulhava. O outro vai a caminho. Freitas do Amaral já anunciou que poderá deixar o executivo para ser candidato presidencial caso se perspective uma candidatura de ?salvação nacional? do Professor Cavaco Silva. Isto está a ir no bom caminho, sem dúvida.
O equilíbrio das contas públicas e o aumento da despesa são incompatíveis. Governos do PS e contenção orçamental também o são. O primeiro ministro das finanças já caiu, outros virão, de preferência da máquina partidária que é para não cair tão rapidamente.

Copy paste

Nos territórios exigentes e imaginativos da análise política, há quem aprecie Marcelo Rebelo de Sousa, António José Teixeira, Nuno Rogeiro, Pacheco Pereira ou António Barreto. Há, no entanto, quem prefira Luís Delgado, Vasco Pulido Valente, José António Saraiva ou a dona Arminda, do café A Bela da Carcaça. Dentro do comentário político, confesso: o meu preferido é Freitas do Amaral. Freitas é o comentador político do momento. Aliás, devia ir mais vezes à televisão (proponho a SIC-Notícias, com a Lourenço e o João Adelino) comentar a acção do Executivo. É que, a julgar pela entrevista que dá hoje ao DN, o homem tem um talento analítico superior à média. E é um cidadão independente e isento (sem quaisquer ligações que o comprometam), o que é cada vez mais raro nos dias de hoje. Até cita as sábias palavras de Xenofonte quando lança o comentário sobre a actualidade. Isso: se Alberto João é um xenófobo, Diogo é um xenofontófilo (o que, já dizia alguém, é muito importante nestas coisas). Faz, no meio das citações, justíssimas críticas ao Executivo de Sócrates. Das mais lúcidas que se têm lido por aí. Fez questão de observar que Sócrates actuou erradamente ao dizer, antes das eleições, que não iria aumentar os impostos. Brilhante. Perdoem-me este desabafo à taxista: até que enfim que alguém vem dizer as verdades. Proponho uma campanha nacional (popularucha, como convém) para a promoção deste novíssimo comentador (cuidado com o Edson Athayde ? que esse ajudou a tramar o Carrilho). Qualquer coisa como: para a frente Portugal, com as bocas de Freitas do Amaral. Ah, e enquanto não arranja uma tribuna qualquer, ofereço-lhe este humilde ? mas asseadito ? cantinho. Caso esteja interessado, o email está à sua disposição.
Nuno Costa Santos em A Capital de hoje

19 de julho de 2005

"O que faz falta é animar a malta"

Em tempo contei, penso que num espaço de comentários de outro blogue, a história passada no Café Espírito Santo, ali na Rua D'Arquinha, entre dois adeptos das festas em honra do Divino Paracleto. Trago, de novo a história à colação por me parecer que a discusão à volta das festas do Espirito Santo em Ponta Delgada, atendendo aos seus principais protagonistas, é mais ou menos como aquela que assisti no tempo, mas também por a achar deliciosa.
O Mestre Manuel Carreiro e os seus filhos são, há muito, os grandes promotores das festas em honra do Divino Espírito Santo Da Rua D'Arquinha. O Mestre Manuel Pintor, Homem de grandes convicções separatistas e defensor de tudo o que é Açores, por seu lado, foi o grande impulsionador do império da Rua do Passal, ruas quase contiguas.
Certo dia, vão mais de vinte anos, assisti a uma acesa discussão entre dois adeptos das festas. Depois de aduzidos quase todos os argumentos, os válidos e os nem por isso, o adepto do império D'Arquinha, quase derrotado pela exuberância do foguetório das festas dos ricos da Rua do Passal sai-se com uma exclamação: "Hême o Sô Esprite Santo D'Arquinha tá-se cagando pó Sô Esprite Santo da Rua do Passal". E assim estamos nós, "O Sô Esprite Sante do Partido Soçalista tá-se cagando pó Sô Esprite Santo do PPD".

16 de julho de 2005

Ilha do Sol

Eu bem dizia que o dia hoje era de Sol. Aqui na Ilha mais Oriental do Arquipélago, o sol mostrou-se em todo o seu esplendor ainda não eram 7horas. Subiu no horizonte ali mesmo em frente à baia de São Lourenço e inundou Santa Bárbara. Tomou conta dos recantos e envolveu o ar que cheira a fenos e criptomérias.


Santa Bárbara-Santa Maria-Açores

15 de julho de 2005

Bom fim-de-semana



A pedido de várias famílias, em especial do Pedro Arruda, cá vai a previsão para a próximas horas. Caro amigo surfista, o mar vai estar flat, choco em bom português, estanhado em termos técnicos. Na verdade, Um anticiclone de 1030 milibares localizado por cima do Arquipélago dos Açores irá condicionar o Estado do tempo nas nossas Ilhas nas próximas horas. Vá! Mulheres para o tanque já que o tempo é de secar roupa. Meninas para a praia que estes corpinhos precisam de bronze. Rapazes não bebem muita cerveja, cria protuberâncias abdominais de elevado custo para remoção. As noites calmas e temperadas convidam a um concerto no Palácio ou a um passeio na Avenida de "Cú pró mar". Uns petiscos no Wite Shark, na companhia da Pilar Melo Antunes e do João Rieff, são uma boa aposta. Uns chicharros no Amaral também não é má ideia.
Cuidado com o sol e bom fim-de-semana.
Desde a Ilha de Gonçalo Velho

14 de julho de 2005

14 juillet


Au matin du 14 juillet, des émeutiers se rendent à l'Hôtel des Invalides et se font remettre des fusils. Mais il leur manque de la poudre... Ils décident d'aller en chercher à la Bastille.

13 de julho de 2005

Num quarto andar sem elevador encontrei isto...

Ao ritmo das férias

A blogosfera de endemismo açórico segue o ritmo do restante universo dos blogues e do País, isto é o ritmo das férias.
Bem. Não será muito assim. O País segue um ritmo de férias muito mais "silly" do que a blogosfera, esta sempre vai produzindo mais um pouco

12 de julho de 2005

Factos 5

Dia da região e do
Sacrifício do touro


Em Segunda-feira de Espírito Santo, a Região comemorou pela 25ª vez o seu feriado regional. Foi a 9ª vez que o dia da Região Autónoma dos Açores foi comemorado em "reinado" socialista. Um dia bizarro e prenhe de contradições, sendo o uso do vocábulo contradições aqui um eufemismo, talvez devesse falar mais em aberrações.
Senão vejamos:
O Partido Socialista e o Governo Regional que durante o tempo em que Mota Amaral foi Vice-Presidente e Presidente da Assembleia da República, criticou o facto de algumas Câmaras municipais o convidarem para presidir, nessa qualidade, a actos públicos, acaba convidando o nosso conterrâneo Jaime Gama, nessa mesma qualidade, a presidir à sessão solene do dia da Região.
Se as festas em honra do Divino Paracleto são, sem sombra de dúvida, uma das poucas coisas que une a identidade dos Açorianos, não é menos verdade que não deixa de ser uma aberração que um governo socialista, republicano e laico promova uma grande festança associada a esse culto religioso, se não falamos de demagogia, falamos de politiquice o que é bem pior.
"Panem et circensis", é uma expressão latina que tenho usado recorrentemente nestas minhas crónicas do fogo te abrase (foguetabraze). Não é por puro acaso que recorro a esta expressão. Na verdade, o que estamos assistir nos Açores nos últimos anos (desde 1992) é a uma crescente falta de interesse das populações pelos assuntos importantes da política regional e a uma cada vez maior alienação e apego ao acessório. Pão e circo, ou seja festa e barriguinha cheia e estamos todos de acordo.
Em ano de eleições, a festança promete ser grande daqui até Outubro. Não importam os princípios, as crenças, as convicções, só importa caçar votos e quantos mais melhor.
Não deixa de ser estranho, que o circo escolhido para este ano tenha sido uma ?toirada? de Praça. Toirada entre aspas porque a coisa mais parecia uma garraiada onde nas pegas os toiros desapareciam entre os forcados.
Estranho por ter sido realizado numa Ilha onde não é tradição existirem toiradas de Praça, estranho por ter sido o Governo Regional a patrocinar através de associações locais a sua realização.
Aberrante por ter partido da esquerda que se arroga defensora dos direitos dos animais a promover tão bárbaro espectáculo.
E assim se comemora o dia da Região, com sol, toiros e comidinha bastante. Pelo meio fica uma conferência sobre a importância estratégica dos Açores, uma promessa de um ministro, o anúncio de uma comenda, mas isso pouco ou nada interessa ao ?Povão? que nem foi ao Cinema do Aeroporto para ouvir os oradores. Sala cheia só até meio com as poucas cadeiras ocupadas pela plêiade de políticos palacianos com cara de frete que há muito circulam pelos corredores do poder nos Açores.
A Autonomia dos Açores terá que sair dos gabinetes, ser um sentimento de todos, andar de adro em adro de taberna em taberna de lugar em lugar. A Autonomia dos Açores terá que deixar de ser um desfile de vaidades comemorado em Segunda-feira de Espirito Santo para ser, de facto, um sentimento açoriano, uma forma de estar da nova "açorianidade".
In Revista Factos edição nº 5 Junho de 2005

11 de julho de 2005

Amigos

Um texto de Vinicius de Moraes para o Rui (Maracujá) Coutinho que faz hoje 50 anos

AMIGOS!Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências?A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer?
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.

Vinicius de Moraes (1913-1980)

Factos 6

Já está nas bancas a Factos nº 6. Infelizmente por razões de ordem logistica não consegui publicar a sua capa que apresenta o "Ciclone dos Açores" em voo de milhafre.
Ainda são muito jovens mas já sonham ser craques do futebol e, de preferência, ao serviço dos grandes clubes do futebol português. Talento e vontade não lhes faltam, razões para acreditar em êxitos também não. É que estes jovens futebolistas açorianos estão na agenda de clubes como o Benfica, o Porto ou o Sporting. Alguns deles, inclusive, já assinaram contrato. Uma reportagem de Luís Pedro Silva dá a conhecer o trajecto destas promessas do futebol açoriano, que aspiram alcançar o êxito desse ídolo que é Pauleta.

10 de julho de 2005

Sugestão pouco democrática

Primeiro declaramos unilateralmente a Independência da Madeira. Acho uma medida sensata e da mais elementar boa gestão da coisa pública. Depois, arvorados em grandes defensores dos elementares princípios democráticos, invadimos a Républica Oligofrénica da Madeira, tomamos o Funchal e instalamos um Governo provisório sob a égide das Nações Unidas.
Internamos o Dr. Alberto João y sus muchcachos no Julio de Matos a aguardar julgamento.

9 de julho de 2005

"Automoribundia"

Prólogo

Titulo este libro "Automoribundia", porque un libro de esta clase es más que nada la historia de cómo ha ido muriendo un hombre y más si se trata de un escritor al que se le va la vida más suicidamente al estar escribiendo sobre el mundo y sus aventuras.
En realidad, esta es la historia de un joven que se hizo viejo sin apercibirse de que sucedía eso, contando algo de lo que pasó o tuvo a su alrededor, y que le obligó a pensar en pensamientos independientes.

Sólo me he propuesto al completar mi autobiografía dar el grito del alma, enterarme de que vivo y de que muero, despertar el eco para saber si tengo voz.

Mi conciencia ha quedado más aliviada y tranquila después de escribir este libro, en que asumo todas las responsabilidades de mi vida.

Se verá también al literato que no tuvo miedo a morir por su esfuerzo, pues cuando un artista tiene miedo a ese deshacerse día a día ya no ve las cosas que sólo dicta la muerte escondida y misteriosa.

Ahora voy descubriendo que la muerte va llegando por carestía de temas.

En las futuras ediciones que volverán más cabal esta autobiografía se irá sabiendo en qué quedó esta lucha entre la nada y el algo.
Ya soy inmortal.
¿Y ahora qué?


Ramón Gómez de La Serna

8 de julho de 2005

Ramón Gómez de la Serna...

... foi uma agradável surpresa para mim. O inventor de "Greguerías", palavra que não significa nada nem em Castelhano nem em qualquer outra língua, é um género literário inventado pelo próprio autor. Numa altura em que os Blogues começam a utilizar um género muito parecido com este, como é o caso do Melancómico do Nuno Costa Santos, achei por bem lembrar aqui alguns dos textos daquele autor Espanhol do Século XX.

El libro es un pájaro con más de cien alas para volar.

Al inventarse el cine las nubes paradas en las fotografías comenzaron a andar.

La ópera es la verdad de la mentira, y el cine es la mentira de la verdad.

El escritor quiere escribir su mentira y escribe su verdad.
Algumas mais podem ser lidas aqui ao lado no Corsário das Ilhas

7 de julho de 2005

Mais serviço público



A pedido de várias famílias, cá vai a minha previsão para o fim-de-semana.
Dois sistemas de altas pressões um localizado a nordeste das Ilhas e outro a noroeste e que atravessará todo o Arquipélago ao longo dos próximos dias, condicionarão o estado do tempo. Assim, prevejo, ao contrário do INMG, céu geralmente limpo ou com boas abertas, vento fraco a bonançoso, possibilidade de neblinas ou nevoeiros matinais.
A nuvem do costume estará localizada, no entanto, por cima da Praia das Milícias.

Porque é assim que deve ser.

Porque Eu não sou daqueles que desmentem em letras mínimas o que publicam em letras garrafais, aqui vai o desmentido que se exige.

Ministro da Justiça desmente ter cinco motoristas
O Ministério da Justiça desmentiu, esta quarta-feira, em comunicado, a notícia publicada num jornal diário segundo a qual teria ao seu serviço cinco motoristas. Segundo a nota, Alberto Costa tem, neste momento, apenas um motorista, sendo que, ao serviço dos membros do Governo no ministério estão apenas três.
Afirmando que Alberto Costa começou por ter «dois motoristas ao seu serviço», logo «no início de funções», «por ter sido essa a prática anterior, o comunicado refere que «desde o dia 1 de Abril, que, por vontade própria do ministro da Justiça, apenas um motorista está ao seu serviço».
Quanto ao número de motoristas adstritos aos membros do Governo, o mesmo documento garante que são apenas três e não os 11 citados na notícia publicada esta quarta-feira: um para o ministro da Justiça, outro para o secretário de Estado-Adjunto e da Justiça e outro para o secretário de Estado da Justiça. Ou seja, menos dois do que havia durante o último Governo PSD/CDS-PP.

Um Mundo menos livre

Ainda Londres não havia adormecido da euforia vivida ontem em Trafalgar Square e já a Al-Qaeda estava lançando o pânico nas suas ruas. Várias explosões ocorridas no "Underground" e num autocarro da Capital Britânica marca a manhã de hoje.
Esta é mais uma das provas de que a organização de Bin Laden não se amedronta com as investidas dos aliados no Iraque ou no Afeganistão. São necessárias medidas urgentes por parte dos serviços secretos dos mais diversos países para pôr cobro a este tipo de atentados. Segundo alguma contra-informação, não confirmada, os atentados estavam previstos para a cidade que ganhasse a realização das Olimpíadas de 2012. A ser verdade isso prova que a Al-Qaeda está muito bem organizada e por todo o planeta. Chirac e Zapatero livraram-se de mais uma dor de cabeça, mas a liberdade à escala global foi, mais uma vez, ameaçada.
Se há alguém que, neste momento, já conseguiu um dos seus objectivos esse alguém é Bin Laden e tudo o que este representa. Vivemos todos menos livres.

Reportagem completa e actualizada

Clique na imagem para ver

6 de julho de 2005

Sensação de cabelos brancos. Ou o peso da idade.

Se à coisa de que me recordo bem foi de um "caçoilo", "calufa" ou como queiram chamar a uma pancadinha certeira e oportuna que levei no toutiço quando, um dia, caminhando num passeio de Ponta Delgada à frente de meu Pai, ao nos cruzarmos com um idoso, me encostei à parede e fiz o velhote passar pelo lado de fora do mesmo passeio. Naquele dia aprendi que se deviam deixar passar as pessoas mais velhas pelo lado de dentro dos passeios. Jamais o esqueci. Esqueci, infelizmente, outras coisas, outros ensinamentos.
Há pouco, na Rua do Desterro cruzei-me com um Pai acompanhado dos seus dois rebentos aparentando uns 14 e 15 anos. Uns "trangolas" do diabo. Os rapazolas chegaram-se para dentro e eu fui, naturalmente, pelo lado de fora. Ainda ouvi os gritos e as "calufas" que o Pai foi distribuindo, alternadamente, pelos toutiços dos moçoilos. Senti-me velho.

Kama-sutra Papal


Clique aqui para ver restantes posições

Eureka

Já descobri o principal plano do Governo Socialista para atingir os 150 mil empregos até 2008. Além do Elefante Branco da OTA e do TGV este último que permitirá irmos, quase todos, mais comodamente e mais economicamente até Madrid fazer as compras de Natal, o executivo começou por contratar os motoristas de táxi que ficaram desempregados com a entrada em vigor dos pagamentos especiais por conta de Manuela Ferreira Leite.


Costa tem 5 motoristas
Alberto Costa conta com cinco condutores ao seu serviço como ministro da Justiça. Os gabinetes do ministro da Justiça e dos secretários de Estado dispõem de onze motoristas ao seu serviço, assim distribuídos: cinco para o gabinete do ministro, Alberto Costa, três para o gabinete do secretário de Estado Adjunto do ministro da Justiça, Conde Rodrigues, e três para o gabinete do secretário de Estado da Justiça, Tiago Silveira. Estes onze motoristas respeitam apenas ao Ministério da Justiça (MJ) propriamente dito, não sendo contabilizados todos os profissionais ao serviço das direcções-gerais, como a dos Serviços Profissionais, sob a tutela deste Ministério.

Olimpiadas 2012


Foto El Pais
La desilusión recorría la Plaza Mayor tras conocerse la eliminación de Madrid. La euforia se ha vivido en Trafalgar square.

4 de julho de 2005

Recordando no 4th of July

"Sou um Homem livre, um Americano, um senador dos Estados Unidos e um membro do partido democrático, por essa ordem".
Lyndon Johnson, 36º presidente dos Estados Unidos

Sim! É que é mesmo já a seguir

Pipocas e Coca-Cola...

... um Blogue feito em São Miguel pela Sara Neves Pereira e pelo André Miranda, sobre cinema. A não perder, principalmente os cinéfilos.
E por falar em cinéfilos. Porque será que não existe um cineclube em Ponta Delgada?
Tenho boas memórias das concorridas sessões de Quarta-feira à noite no Teatro Micaelense nos anos 80 do século XX, promovidas pelo então Cineclube de Ponta Delgada dirigido, quase unipessoalmente pelo Francisco Nunes.

Os julgadores de carácter

...Eis algumas das conclusões relativamente recentes dos julgadores de carácter: Bush é um monstro. Blair é um monstro light. Zapatero é a ética e a justiça em pessoa. Santana e Portas ? nem vale a pena falar deles ? são populistas perigosíssimos. Cunhal era um homem maior do que a vida. Zita Seabra é uma oportunista barata (pior é impossível). Os julgadores de carácter já começaram a trabalhar na corrida à Câmara de Lisboa. Carmona Rodrigues é capaz de ser um «bom rapaz» (mas está irremediavelmente afectado pelo carácter perigoso de Santana). Carrilho é petulante e não tem escrúpulos. Ruben de Carvalho é, digamos, "um homem digno". Maria José Nogueira Pinto, "apesar do partido em que está", é uma mulher equilibrada e com valores. Sá Fernandes, esse, é o "salvador da cidade e dos excluídos". Confesso: tenho medo dos julgadores de carácter. Como tenho medo de outro tipo de fascismos.

4th of July

2 de julho de 2005

Serviço público

Um sistema de altas pressões situado sobre as Ilhas dos Açores irá condicionar o estado do tempo para os próximos dias nas Ilhas Atlânticas.
Bom fim-de-semana.

1 de julho de 2005

Frenesim


A Sexta-feira, quando muitos estão já de fim-de-semana, é para mim o dia mais frenético de todos os da semana. Passado no Porto de Ponta Delgada entre a azáfama de descarregar uma embarcação, preparar o embarque de pescado e o esbarrar em méia dúzia de almas moles e incompetentes, salva-se a outra meia dúzia de diligentes profissionais, com destaque para p incansável Gabriel (Italiano). Salva-se ainda a presença permanente do meu computador portátil com uma placa 3G para postar este instantâneo.

Arquivo do blogue